Teoria Musical frente a duas tracks de EDM: considerações sobre a epistemologia de análise de músicas produzidas em sequenciadores digitais. TeMA – Associação Brasileira de Teoria e Análise Musical. In:
Análise em Perspectiva Didática. Série Congressos da TeMA II. Salvador: 2017, p. 153.

Ensaio sobre a construção hermenêutica de um tempo narrativo em música. Revista Arteriais, v. 1 no. 2, 2016.

Structures, musical realities and other trips about musical creation in composition and analysis. Art Music Review no 27, 2014.

Minha música sendo outra: a narratividade como coisa composicional. PhD Thesis, PPGMUS, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

Introverso e suas outras músicas. Música Hodie, vol. 13 no. 1, 2013

Apontamentos sobre a construção do tempo em música. III ETAM/USP (2013).

Análise como Processo Composicional. Texto publicado pelo IV Encontro de Musicologia de Ribeirão Preto (USP, 2012).

O Estilhaçamento da Temporalidade em Terra Selvagem, de Bruno Kiefer. Texto publicado pelo XXII Congresso da ANPPOM em agosto de 2012.

A Noção de Parêntese (como um delírio) em O Desvão. Texto publicado pelo II Encontro Internacional de Música de Câmara (Universidade de Évora, Portugal)

Uma Trama para Schnittke: Considerações Narrativas para o Concerto Grosso no. 1. Música em Perspectiva, vol. 4 no. 1, março 2011.

Interpretação Narrativa: Composição de uma Experiência Musical Através da Análise (recomendo esta edição ao invés da que foi publicada nos anais do II ETAM/SP) Tradução em francês disponível: Interprétation Narrative: la composition d’une expérience musicale à travers l’analyse. 

Subsídios para uma Narratividade em Música. Texto publicado pelo XXI Congresso da ANPPOM, 2011.

Obras para Órgão no Brasil de Hoje (1985-2005): Por que órgão?. Revista Opus no. 13 vol. 1, 2007. Em co-autoria com Bruno Alcalde e Any Raquel Carvalho.

Website Powered by WordPress.com.

%d bloggers like this: